sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Exceções




Se exceções fosse coisas comuns, não seriam exceções. 

O Dicionário Priberam faz questão de ressaltar isso ao definir EXCEÇÃO como "desviar da regra comum", ou seja, exceções fogem à normalidade.
Nós, brasileiros, somos super acostumados às exceções. É normal a gente ouvir que para cada regra do português, existem 10 exceções. O difícil é encontrar exceções na vida real.
É raro encontrar alguém que não se deixa levar pela multidão e pensa por si próprio. Uma pessoa com gostos e vontades singulares. Aquela pessoa mais "pura", por assim dizer, que ainda não foi formatada segundo os nossos (falíveis) padrões.
Mas então quer dizer que ser "normal" não presta? Não é bem assim. O importante é que, se você não for uma exceção, ao menos viva com autenticidade. Isso significa que deve acreditar em tudo o que faz. Vou dar um exemplo bem tosco para que entendam minha idéia: 

A maioria das pessoas come banana. Você também. 
Mas por que você come banana? Porque a maioria come ou porque você gosta? 

Se sua resposta for a primeira opção, conversamos depois.
Se, no entanto, sua resposta for a segunda, você é um "normal autêntico": faz as mesmas coisas que as outras pessoas, mas por vontade própria. Saiba que te tenho na mais alta conta.
Pensando bem, está tão difícil encontrar pessoas assim que até os "normais autênticos" são exceções...xii, isso tá começando a ficar confuso! Comecei o post para falar do valor das exceções, mas cheguei à conclusão de que até o normal, quando é verdadeiro, tem muito valor...

Então vamos combinar o seguinte: se você é uma exceção, não se sinta marginalizado. Acho que exceção deveria ser sinônimo de "especial".
Se você é um normal autêntico, também não se constranja. Abrace isso e viva segundo seu próprio temperamento. Sair fazendo um monte de maluquice só para tentar ser diferente não te faz especial. Apenas idiota. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário