segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Julgamentos

"Quem és tu que queres julgar, / com vista que só alcança um palmo, / coisas que estão a mil milhas?" Dante Alighieri

Quem nunca julgou alguém que atire a primeira pedra. Apesar de ser um péssimo hábito, JULGAR é um dos verbos que mais praticamos. Ouso dizer que o fazemos diariamente.
O curioso em relação ao ato de julgar não é o QUANDO (a frequencia com que você julga as pessoas), mas sim o COMO e o POR QUÊ do ato:

1.COMO:  acho curioso pensar em como julgamos porque não temos capacidade para isso. Então como o fazemos? Sério mesmo, como a gente tem a petulância de acreditar que estamos em uma posição privilegiada a ponto de dizer o que é melhor para outra pessoa? Quando você julga alguém, é porque se acha superior, melhor que o outro. Releiam a frase do Dante que coloquei no inicío do post. Se só enxergamos um palmo, como podemos julgar algo ou alguém? Entendem o que eu quero dizer? Nossa visão é limitada! Por isso, julgar com base no que eu acredito, além de petulância, é idiotice: corro o risco de parecer idiota se os meus julgamentos se mostrarem infundados (o que é bem provável).
2.POR QUE: Por que julgamos os outros? Necessidade de auto-afirmação? De parecer superior? Ou seria simplesmente pela força do hábito? Pense nisso da próxima vez que julgar alguém.

Não quero parecer uma santa nesse post. Na verdade, julgo as pessoas todos os dias, assim como você. Só quero que tenham consciência de que isso é uma péssima atitude. Você gostaria de ser julgado com o mesmo rigor com que julga as pessoas? Posso dizer que eu não gostaria. Jesus, sabiamente, nos advertiu quanto a isso: 

              "Não julguem os outros para vocês nao serem julgados por Deus. Porque
     Deus julgará  vocês do mesmo modo que vocês julgarem os outros e usará com
     vocês a mesma medida que vocês usarem para medir os outros. Por que é que 
     você vê o cisco que está no olho do seu irmão mas não repara na trave de 
    madeira que está no seu próprio olho? Como é que você pode dizer ao seu 
    irmão: 'me deixe tirar esse cisco do seu olho', quando você está com uma 
    trave no seu próprio olho? Hipócrita! Tire primeiro a trave que está no seu
    olho e então poderá ver bem para tirar o cisco que está no olho do seu irmão." 
    (Mateus 7:1-5)


 É, o assunto é sério. Para concluir o post de forma mais alegre, coloquei um vídeo bem criativo que mostra como as coisas nem sempre são o que parece. A tradução da frase que aparece ao final de cada cena é  "não julgue tão rápido". Assistam, é engraçado! rs

Um comentário:

  1. Adoreeeeeeeeeeeeeeeeeiii!!!! uhaiahahiaia... Vídeo engraçado com assunto sério. Acho que essa é uma das coisas que as pessoas deveria se atentar mais. Eu tô, há anos, tentando controlar isso. E com o passar do tempo vc vai percebendo o quanto vc aproxima pessoas quando as julga. Concordo com o post e acho o assunto de extrema necessidade. XD

    ResponderExcluir