quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Jurema e sua consciência

- Jurema, não faça isso.
- Quem é?
- Sua consciência.
- Ah, então não tem problema. Você só está na minha cabeça, não é como se alguém estivesse vendo.
- Eu estou. E sei que está errado. E você também sabe.
- Só fiquei sabendo agora que você começou a dar piti. Estava tranquilinha antes do seu sermão me fazer perceber que é errado.
- Então você admite que está errada?
- ...
- Tá vendo? Quem cala, consente. Se você fizer isso agora vai ser culpada, porque já sabe que é errado e...
- AI, PORQUE VOCÊ TINHA QUE APARECER???


Imagino que todo mundo já tenha passado por essa situação. Acho que uma vez por dia, pelo menos. E por quê? Por causa da nossa insatisfação com tudo. Desde que Adão e Eva sacanearam toda a raça humana, estamos insatisfeitos. Cada um se tornou protagonista de uma guerra interna, com batalhas todos os dias, porque todos os dias queremos fazer algo que não deveríamos fazer. Por isso, brigamos com a nossa consciência, que nada mais é que um alarme que apita diante do perigo iminente.
Mas, é claro, isso só se aplica àqueles que tem consciência. Existe uma classe de pessoas que não se enquadra no que eu disse. A minha teoria é de que são mutantes, com um botão para ligar e desligar a razão quando der na telha.
Gostaria que vocês refletissem no seguinte: se a Jurema fizesse o negócio antes de saber que era errado, ela seria culpada? Ou é a noção de que algo é errado que condena alguém? Pensem nisso.


3 comentários:

  1. O que é certo e o que é errado são convenções aceitas pela sociedade. Boa parte do mundo acredita que o certo é estar casado com uma pessoa só, mas algumas culturas acreditam na poligamia. Esse é um exemplo de "certo e errado", o que me parece certo em um determinado contexto, pode te parecer errado e assim por diante...
    Falei, falei e não disse nada :)
    Adoro teus textos!

    ResponderExcluir
  2. Bom... Isso depende, de acordo com a sociedade ou com ela mesmo? Com a sociedade SIM. Mas se fosse por ela mesmo eu creio que não."Porque todos os que sem lei pecaram, sem lei também perecerão; e todos os que sob a lei pecaram, pela lei serão julgados. Romanos 2:12"

    Mas mesmo assim, achei uma boa Pergunta.

    ResponderExcluir
  3. Ligya, concordo em parte com vc. Concordo que, muitas vezes, certo e errado são convenções sociais. Entretanto, acredito que existem coisas que são absolutamente erradas, independente de cultura, religião e etc. Matar, para mim, é uma dessas coisas (mesmo que existam culturas que aceitam essa prática). Beijos, e obrigada pelo seu apoio aqui no blog ;)


    Pedro,que legal você por aqui! Vc perguntou se a Jurema seria culpada de acordo com a sociedade ou com ela mesmo. É isso?
    Bom, eu acho que depende. Como eu e a Ligya comentamos, existem coisas que são erradas em algumas sociedades e em outras não. Então a sociedade não é um bom termômetro para avaliar se alguém está errado.
    Porém, se ela fizesse algo que não é errado aqui, mas mesmo assim sua consciência a acusasse, ela seria culpada, por isso acho que o mais importante é a consciência dela. Só não posso me esquecer de que existem pessoas com a mente tão cauterizada que a consciência já não vale como ponto de referência.

    No fim também acabo não tendo uma resposta exata para a minha própria pergunta! rsrsrs
    Mas acho que mais vale a reflexão do que a própria resposta...

    ResponderExcluir