terça-feira, 24 de maio de 2011

De foras e separações nas artes

É de conhecimento geral que os artistas tem o dom de aproveitar qualquer tipo de sentimento para produzir alguma coisa, mesmo que esse sentimento não seja exatamente bom. E dentro dessas situações que não são tão boas assim, acho que nenhuma os inspira tanto quanto um coração partido.
Tenho observado que são muitas as canções que falam sobre foras, separações...todo mundo sabe como é difícil levar um toco (as vezes, dar o toco é ainda mais difícil) ou se separar de alguém querido. O interessante é que, em cada pessoa, o famoso "fora" gera uma reação diferente: há os que ficam amargurados, os perdidos, os vingativos...dá de tudo!
Fiz uma pequena seleção dessas diferentes reações encontradas nas artes:


1. O vingativo

Sei que é meio cruel isso, mas essa música sempre me faz rir. É de um cantor colombiano chamado Juanes e é onde eu mais enxergo a idéia de "dar o troco". Se um dia alguém te sacanear feio, lembre-se dessa música para se consolar um pouco  rsrsrsrs...Acho que o Juanes fala por todo mundo que passou por essa situação!
Vou colocar a tradução da música (COM ADAPTAÇÕES):

Mala Gente

Você me pede que eu te deixe agora, agora
Agora quando eu mais necessito de você
Você me diz que esse amor foi esquecido agora
Agora que já não posso te esquecer

Você me pede que sejamos só amigos, amigos
E a mim não interessa ser seu amigo
Você me diz que este amor foi em vão
Que ruim que você diga isso, mas que bom que terminou

Má pessoa
Você brincou com meus sentimentos
E agora se lamenta
Má pessoa
Você vai pagar caro
Porque você já não interessa para mim
Má pessoa
Porque você é uma mentirosa
E uma má pessoa
E no inferno inteirinha, inteirinha, você vai queimar

Você me pede que eu volte agora, agora
E agora sou eu que não me importo
Você me pede que sejamos mais que amigos, amigos
E amigos para quê se não há carinho?

Hoje por fim me dei de conta do seu engano
Da sua má índole e do grande mal que você me fez

2. O estilo Heartbroken

Saindo do ramo dos vingativos e subindo o nível musical, quero mostrar a música Someone Like You, da Adele. Acho que essa é a música que melhor descreve aquele período amargo depois de uma separação/fora e o que você sente durante ele. E ainda assim, a música é linda! (Não coloquei a música toda)


Someone Like You

Eu ouvi que você se estabeleceu,
Que você encontrou uma garota
E está casado agora
Eu ouvi que seus sonhos se tornaram realidade
Eu acho que ela lhe deu coisas que não dei a você

Velho amigo por que você está tão tímido?
Não é típico de você se conter
Ou se esconder da mentira

Eu odeio aparecer de repente sem ser convidada
Mas eu não poderia ficar longe, eu não poderia lutar contra isso
Eu esperava que ao ver meu rosto você se lembrasse que para mim não está acabado

Não se preocupe
Eu vou encontrar alguém como você
Eu não desejo nada além do melhor para você também
Não se esqueça de mim, eu imploro
Me lembro que você dizia:
Às vezes o amor dura
Mas às vezes, ao invés disso, ele machuca





3. A separação na poesia

Saindo da música para a poesia, me lembrei de um poema do Vinícius de Moraes que fala exatamente sobre o que é uma separação:

SONETO DE SEPARAÇÃO


De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.


De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez o drama.


De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.


Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.


4. Artes Plásticas
O interessante é que eu não entendo nada de arte (mas gostaria). Não conheço os artistas, os movimentos artísticos, as fases, nada. Mas quando decidi procurar uma imagem que retratasse a separação, encontrei esse quadro do Edvard Munch, o mesmo que pintou O Grito (isso eu sabia, rs). Inclusive o quadro se chama Separação. Não sei explicar direito, mas quando olhei para ele senti algo diferente, angustiante até. Acho que essa era a intenção do pintor... Pelo o que entendi, Munch era um artista muito profundo, que buscava retratar os sentimentos das pessoas, e não simples paisagens. Achei uma frase curiosa dele: "Já é tempo de pararmos de pintar cenas de interiores, com pessoas lendo ou mulheres fazendo meias. Devemos criar pessoas vivas que respiram, sentem, sofrem e amam".




E é isso galera; esse post foi o meu recorde até agora. Depois de terminar que vi o tamanho que ficou! Mas se você teve a paciência de ler até o final, comenta aí e fala suas percepções sobre o assunto!

2 comentários:

  1. Altíssimo nível esse post hein? Agora, falar das minhas impressões ia dar um outro post, aliás, uma série de outros posts, porque tudo em um só ia ficar gigante! Certo é que embora não exista uma regra para curar essas feridas ou uma reação acertada e unânime devemos manter acima de tudo o respeito pois sem ele a gente perde muito da vida.

    ResponderExcluir
  2. Verdade! Respeito e amor próprio.

    ResponderExcluir